Category Archives: ARTE.MOV

Festival on mobile media

LABMOVEL

Labmovel é um projeto de criação e difusão de trabalhos em várias mídias, em ações que se deslocam pela cidade.

A ideia é trabalhar com mídias móveis em residências de arte, workshops e eventos culturais. Em função de seu caráter nômade, o programa proporciona ambientes temporários, que despertem a curiosidade e maior acesso a situações fora do eixo institucional, favorecendo um cruzamento de origens culturais, sociais e econômicas diversas. A mediação desempenha um papel crucial na interação entre esta estrutura e seu público.

Na foto, os artistas Sander Veenhof (Holanda) e VJ Pixel (SP) em trabalho no centro de São Paulo, na região da Biblioteca Mario de Andrade, onde foi criada uma forma de narrativa a partir de textos inseridos em um sistema de Realidade Aumentada. Esse primeiro projeto do Labmovel foi uma parceria entre o NIMK (Holanda) e o Vivo arte.mov.

Mais informações sobre o Labmovel aqui.

As oficinas já realizadas abordam computação física, desenvolvimento de interações a partir de Arduino e Processing, construção de veículos DIY, videomapping, grafite eletroíonico, e outras formas de uso da tecnologia em espaço público de forma lúdica e descomplicada. A oficina #2, ministrada por Mateus Knelsen utiliza carrinhos de rolimã como plataforma para desenvolvimento de sistemas de transmissão audiovisual de curto alcance. [eflyer abaixo]

 

 

 

Ruído de Fronteira

Entre 11 e 27 de novembro de 2011 o Festival arte.mov e o Eletronika organizaram juntos uma exposição chamada Ruído de Fronteira, a partir de conceitos que intercedem os dois eventos.

 

A exposição foi uma experiência muito valiosa no sentido de buscar questões em torno da idéia de ruído, (noises, glitches, artefatos e outras “imperfeições” que sempre permearam as mídias analógicas e hoje também aparecem de diferentes modos nas mídias digitais.

A idéia principal foi demonstrar que o ruído, em suas várias manifestações, já não mais se contrapõe à informação, mas é parte desejada dela. As obras escolhidas, sejam sons ou imagens, já não fazem parte dos domínios conhecidos de alguns anos atrás.

Os artistas participantes da exposição foram Amor Muñoz, Goran Skofic, Janaina Mello + Daniel Landini, Lea Van Steen, Luiz Duva, Ricardo Carioba, Timo Kahlen, Varvara Guljajeva + Mar Canet Sola. Juntamente com a mostra autdiovisual, performances e os debates entre convidados o corpo de obras e conceitos formados nesse conjunto foi surpreendente. Com origens em países tão diversos como Alemanha, Croácia, Espanha, Estônia, Grécia, México, Taiwan, Uruguai e Brasil, foi interessante notar o quanto os artistas contrapõem um fluxo hegemônico, em um eixo diagonal (colateral talvez), introduzindo novas nuances – ruídos desejáveis – no ambiente digital da media arte. Nessas novas perspectivas de organização já não cabem mais a geografia oficial ou a noção de periferia-centro. Há, talvez, o indício ou o impacto de uma reconfiguração da ordem econômica, onde novas possibilidades de diálogo se estabelecem, expandindo a noção de fronteira, onde se absorvem também as zonas de indefinição ou ruído.

Mais informações sobre a mostra aqui:

O catálogo não ficou pronto para os dias do evento mas foi distribuído em cartões SD gratuitamente e pode ser baixado ou visualizado aqui!

 

FICHA TÉCNICA

Curadoria Ruído de Fronteira (exposição e mostras): Lucas Bambozzi

Curadoria performances audiovisuais: Rodrigo Minelli

Produção da exposição Ruído de Fronteira: Caroline Ramos

Produção técnica e audiovisual: Erick Ricco

Produção de mostras audiovisuais: Samuel Marotta

Produção fórum de debates: Nina Trevisan

Identidade visual e design gráfico: Hardy design

Projeto Expográfico e ambientação: Mach arquitetos

Produção executiva Eletronika/Vivo arte.mov: Aluizer Malab

Mediações, Tecnologia e Espaço Público

O livro Mediações, Tecnologia e Espaço Público: Panorama Crítico da Arte em Mídias Móveis aprofunda debates nas diversas vertentes a área que vem sendo denominada mídias locativas. Reúne textos que discutem a relação entre as estruturas em rede e os lugares que elas passam a atingir conforme a conectividade se torna possível em aparelhos portáteis (por meio de acesso a redes sem fio ou 3G).

Combinando visões celebratórias e perspectivas críticas, este livro reúne artigos de artistas, críticos e teóricos que apresentam diferentes visões sobre o desenvolvimento e o contexto da cultura que surge conforme as redes de aparelhos portáteis se tornam mais cotidianas.

www.lojaconrad.com.br

www.artemov.net/noticia.php#35

Artemov.net + Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia + Lucas Bambozzi

A 8ª edição do Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia acontece hoje, 6ª feira, na Escola São Paulo, às 19h00 (Rua Augusta 2239).

Dentre as atividades previstas está o lançamento dos  e-books dos festivais HTTPS (vídeo, tags e som), e o e-book que sintetiza o simpósio internacional do arte.mov 2008: Apropriações do (in)comum: espaço público e privado em tempos de mobilidade. Os e-books serão disponibilizados em formato PDF para livre circulação, a partir do site do Instituto: www.ism.org.br e no site do arte.mov

Além dos lançamentos, haverá ainda na Escola São Paulo, a abertura da exposição do Grupo de Pesquisa em Arte e Meios Tecnológicos da Faculdade Santa Marcelina com curadoria de Chris Mello, com os artistas Claudio Bueno, Denise Agassi e Lucas Bambozzi.

 

pano_banheiro_43

Shortcuts at artemov 2008

Festival documentation

Lucas and Mirjam Struppek just after artemov's symposium, having a beer in one of the installations by Michel Gondry

Lucas and Mirjam Struppek just after artemov's symposium, having a beer in one of the installations by Michel Gondry

Videoman Fernando Llanos acclaimed in downtown Belo Horizonte (pictured with Rocco)

Videoman Fernando Llanos acclaimed in downtown Belo Horizonte (pictured with Rocco)

l95_3841

Trebor Scholz did a great lecture in Belo Horizonte, focusing the expropriation of online work. The presentation (pdf, 16MB) can be downloaded here: http://tinyurl.com/5antg8.


Festival arte.mov

Festival arte.mov : arte em mídias móveis 2010

Aconteceu entre 22 e 26 de setembro de 2010 a primeira edição do Festival arte.mov no Pará. Muita coisa para ser relatada. Opto aqui por transcrever alguns comentários dos dias e posto algumas imagens.

“Dispositivos alucinam a Amazônia” na primeira noite de debates em Belém

relato: dia #1:

A primeira noite de debates do Festival arte.mov em Belém começou com a produtora Giseli Vasconcelos: “Descentralizemos!” Ao lado de Lucas Bambozzi e Fabrício Santos, Giseli deu início ao Simpósio Novas Cartografias Urbanas, no Fórum Landi. “Cada cidade tem características próprias e esta edição do evento respeita essas particularidades. O investimento em Belém é mais no sentido de formação e compartilhamento do que trazer experiências prontas”, destacou Bambozzi.

Após o primeiro debate, os artistas Val Sampaio, Jarbas Jácome e Nacho Durán apresentaram o showcase do projeto Água, dividindo com a platéia um pouco da experiência de viver a bordo de um barco no Baixo Amazonas, coletando dados sobre os fluxos das águas – uma autêntica “residência móvel”, nas palavras de Val. “Foi uma negociação com a natureza. Teve um dia em que ventava muito e o barco não pôde sair. Estávamos presos no paraíso – se a internet funcionasse, é claro”, brincou.

ESPAÇO EM MOVIMENTO – A última mesa da noite, mediada por Marcus Bastos, teve Ricardo Folhes e Ivana Bentes discutindo “O espaço em movimento, a paisagem em adaptação”, tema que desencadeou grande interesse em platéias físicas e virtuais. “O ideal seria que esse povo pudesse cartografar e visibilizar sua realidade, através dessa geotecnologia. GPS vira arma em mãos de caboclos na Amazônia”, pontuou Folhes.

Ivana Bentes, por sua vez, chamou a atenção para o que chamou de “overcartografia” em que vivemos hoje com tecnologias como GoogleMaps, redes de rastreamento e afins. Continuou discorrendo sobre o imaginário amazônico: “Ao viajar pela amazônia, a monotonia chega ao sublime, é uma experiência radical. Parece um filme do Antonioni: nada acontece e tudo acontece. Dispositivos alucinam a Amazônia”, arrematou.

Belém

Projeções na rua se tornaram essenciais e em sintonia com a Praça do Carmo

 

junto às projeções, o orelhão de Ouvidoria, de Lourival Cuquinha

a bike.mov, utilizada para fazer projeções móveis e customizadas, em função de cada espaço

projeção do vídeo resultante da oficina de Fabiane Borges e Nacho Duran, que abordou cruzamentos entre sexualidade e mídias móveis

participantes da oficina ADC Belem se preparam para sair para as ruas. cada bicicleta se tornou um sound-system, todas tocando ao mesmo, em incrível harmonia orquestrada por Tal Isaac Haddad tempo

as demais fotos do festival em 2010 estão aqui: www.flickr.com/photos/artemov/sets/72157625032458268/

 

————————————————————————————-

 

Vivo arte.mov 2008

 

3º festival internacional de arte em mídias móveis

………………………………………………………….

20 a 25 de novembro, 2008

Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil

26 de novembro a 07 de dezembro, 2008

MIS-MUBE, São Paulo, Brasil


flyer4

···················································································································

Mostra competitiva
Uma amostra representativa da produção recente audiovisual para pequenos formatos selecionada dentre as mais de 600 inscrições recebidas.
 

Mostra Informativas Internacionais
· Festival Dotmov (Japão)
· Pocket films (França)
· Historias de Bolsillo – diálogo construido com mídias móveis entre Constantini e Llanos (México)

 

Simpósio “Apropiações do (in)comum> Espaço público e privado em tempos de mobilidade”
· Tecno-determinismo e acessibilidade, estratégias de difusão em redes e acesso à informação
· Realidades Mistas: Convergências esperadas x convergências implantadas
· Redimensionamento do espaço público: tecnologias sociais em rede
· Mídias móveis e arte: perspectivas e críticas das mídias móveis no Brasil
Exposições
· Descontinua Paisagem (Fernando Velázquez e Julià Carboneras)
· Memo_ando (Raquel Kogan e Lea Van Steen)
· Ascese (Rodrigo Castro de Jesus)
· Série se… (Joacélio Batista)
· !Alerting infraestructure! (Jonah Brucker-Cohen)
· Inquisitive devices (Jonah Brucker-Cohen)
· Forward compatible (Jonah Brucker-Cohen)
· The head (Laura Beloff)
· Locative Painting (Martha Gabriel)
· Can you see me now? – live game! and documentation (Blast Theory)
· Videoman 5.5 (Fernando Llanos)
···················································································································
. curadoria: Lucas Bambozzi, Marcus Bastos, Rodrigo Minelli
. coordenação: Aluizer Malab, Lucas Bambozzi, Marcos Boffa, Rodrigo Minelli

arte.mov 2007

Documentation of 2nd arte.mov, Festival Internacional de Arte em Mídias Móveis. A translated version will be posted soon.

3rd edition on the following dates:

_Belo Horizonte: 20 to 25 November, Palácio das Artes and Santa Tereza square
_São Paulo: 27 and 28 November, MUBE and 26 Nov. to 07 December at MIS.
more info: http://www.artemov.net