Tag Archives: performance

ON_OFF [curadoria]

texto curatorial:

Som e imagem em busca de um sentido completo.

As experiências com manipulação de imagens em movimento têm uma história que antecede muito o contexto atual. Mas foi o recente encontro com os aparatos digitais que permitiu ao vídeo e ao cinema o exercício mais radical de possibilidades de reprodução, sampleagem, processamento e associações entre imagem e som. Passaram a fazer parte do campo das imagens, os códigos e informações numéricas que podem adquirir inúmeras e novas formas de representação. Tais confluências dos procedimentos digitais com os fenômenos que envolvem a cultura da música eletrônica mudaram de fato alguns paradigmas da imagem em movimento.

Esse encontro entre as tecnologias digitais e a cultura da música eletrônica tem cerca de 15 anos de existência no Brasil. Foi a partir desse contexto que surgiu a cena em torno do que passou a ser chamado de VJing, videoperformance e live act ou cinema ao vivo. É uma cena que já teve muitas fases. Houve momentos de euforia pela novidade, entendimento das linguagens envolvidas, conquista de espaços e definição de circuitos e campos de atuação.

Passados os tempos de afirmação de pioneirismos, já temos uma história mais ou menos bem contada. Por um lado, a prática se profissionalizou e clarearam-se as vertentes de atuação. Houve festas (muitas), lançamentos de compilações, fóruns, listas de discussão, websites, cursos e oficinas. Por outro lado, surgiram novos circuitos, entrecruzando linguagens.

E, assim, nos referimos a um conjunto de experiências audiovisuais ou de espetáculos multimídia que têm sempre algo a ver com outras práticas.  Se as definições são quase sempre antiquadas (tudo que se associa ao termo multimídia, por exemplo, tem algo de cafona) são as imprecisões das mesmas que tornam essa cena sempre carregada de possibilidades interessantes. Ou seja, aquilo que não é exatamente o veejaying ou o cinema ao vivo é sempre mais inquietante do que o que se acomoda nesses termos.

Para o On_Off deste ano foram escolhidas algumas dessas propostas difíceis de serem situadas num campo de práticas mais precisas, seja em torno do audiovisual, seja das próprias práticas envolvidas pelas live images. Vale dizer que a maioria dos nomes que marcaram as cenas mais específicas e as mais expandidas desses circuitos, já passaram pelo evento, em seus oito anos de existência. Não repetir nomes seria difícil. O recorte definido aponta exatamente para as regiões indefinidas.  Próximas do conceito de ruído, tanto da imagem quanto do som, os projetos buscam na distorção, no erro ou nos glitches [falha de sistema] aquilo que permeia a comunicação e a torna imprecisa, mas que podem ser desejáveis no ambiente da música, do cinema e da arte.

Nessa linha, os Antivjs apresentam um espetáculo criado com o mexicano Murcof. Juntos, abrem a mostra com uma obra densa, permeada de ruídos eletrostáticos, mas, ao mesmo tempo, melódica, mínima e apoteótica, sugerindo uma linha a partir da qual variam as demais apresentações. O encerramento fica a cargo de um projeto inédito criado para a On_Off pelo grupo Cão, formado por conhecidos nomes tanto das artes visuais como da performance. O grupo LigaLingha se apresenta pela primeira vez em São Paulo trazendo instrumentos desenhados pelos próprios integrantes e interações e improvisos utilizando interfaces digitais. Caio Fazolin traz Equações, que valendo-se de padrões matemáticos precisos e simples, resulta em ruídos visuais e sonoros intensos. Já o uruguaio Brian Mckern vem à mostra com uma nova versão de Temporal de Santa Rosa, apresentação baseada em interferências elétricas causadas por tempestades.

Do conjunto das apresentações, pode-se falar de uma proximidade entre ruído e sensorialidade, aliterando imagens e sons na essência do que pode ser o cinemático na forma de espetáculo – no que a ideia de espetáculo ainda pode conter de interessante. Ao promover a relação entre planos sensoriais diferentes se configuram como experiências sinestésicas, em possibilidades distintas de atravessamento dos sentidos.

Nas atrações da On_Off, o espaço é dado. Todas as apresentações acontecem na Sala Itaú Cultural, notadamente um teatro. Ainda há muito que se pode fazer dentro dessa arquitetura que se criou como estratégia para aproximar o cinema do público do teatro e da ópera. Potencializando as confluências, as apresentações se fazem também como forma de modular os sentidos estendida a muitos, coletivamente, em um único espaço.

Lucas Bambozzi

Da Obsolescência Programada

“Da Obsolescência Programada, in 3 Acts” was conceived both as a installation (also referred as ‘Crash’) and as a live audiovisual set.

The live performance version was premièred at ON_OFF festival, Itau Cultural, on July 23, 2009 in São Paulo.

crash_fita vhs

Performance description:

Act 1: Illusion

The first part of the presentation includes an experiment in which the audience is asked for participation: the people entering the theater are invited to leave their cell phones switched on. In the beginning of the presentation, the audience will be encouraged (through texts projected on the screen) to raise their arms while holding their cell phones with their lit displays turned upwards. A camera placed at the top of the stage captures the lights of the devices and transmits them to a semi-opaque black screen downstage, thus working as a reverberation of the audience’s actions. The people notice the interaction as they move and their motions are seen on the screen before them. The interactors’ actions become gradually less effective and the lights projected increasingly gain their own motions, turning into drawings and patterns as they respond now to the music beats. Little by little, the upstage screens light up and the images, either abstract and/or graphic, are accompanied by sounds. Their synchronism also affects the images projected on the black screen downstage. The audience can track the motions of the cell phones and cameras by the Vimus software, developed by Jarbas Jacome, in a blob detection process (pixel-recognition of regions of the image) as it happens in multi-touch screens.

Act 2: Consumption

The second part of the performance establishes a progressive dialog between the images projected on the white screens upstage and those displayed on the front black screen downstage. There is an ongoing development along this way with no meaningful interruption. The images, once abstract, appear with more explicit figurative outlines, reminding attempts of constant organization and deconstruction – they may, for instance, refer to deteriorated structures, anachronistic situations or yet situations of abandonment. The images work as patterns to unleash sounds (either using geometric shapes or contrast or mapping relations of the motion of the images themselves). Here is where the parameters of the scenes may also change by means of interventions of music instruments.

Act 3: Determination

The images of this act comprise footage showing the systematic destruction (with a hammer) of a series of technological items, most of them obsolete or nearing obsolescence — media such as floppy disks, VHS tapes, wireless telephones, printer cartridges, cell phones, computer keyboards, printers, light bulbs, and others. All of them are broken to pieces and produce a strong and typical sound of the material they are made of. It may be the desire of many to be on stage holding the hammer seeking to achieve a catharsis, a little revenge owing to the fact that people consume so many technological devices that will not be around for long in their lives. Over 100 sequences of such short footage (two- to six-second length, recorded in high definition) are manipulated with audio and video synchronism in a sort of duel or opposition formed by the two white screens upstage.

crew

Sound design, music, and rhythm accompaniment synchronized with images Paulo Beto

Vimus and Pure Data programming, interactive system manipulation, and electric guitar interferences Jarbas Jacome

Direction and general coordination, image production and manipulation and duel between screens Lucas Bambozzi

a test for staging the work as a live performance set

Outros Silverinos Remix

[experiência audiovisual]

Embolex

Lucas Bambozzi

DJ Dolores

Livio Tragtenberg

Lenora de Barros

Toca e Dengue (Nação Zumbi)

documentação:

UOL

http://www1.folha.uol.com.br/folha/videocasts/ult10038u543479.shtml

Metropolis

http://mais.uol.com.br/view/1xu2xa5tnz3h/metropolis–projeto-outros-silverinos-remix-04023870C0B98326?types=A&



cartaz_net_menor

Outros Silverinos Remix é uma apresentação em múltiplas linguagens que engrossa o caldo dos Severinos contemporâneos, não apenas os nordestinos mas os anônimos Silvas, Silveiras, Oliveiras e tantos Joãos, Josés e Marias que vivem à margem tanto dos centros quanto das periferias de nosso país.

Livremente inspirado em Morte de Vida Severina do escritor pernambucano João Cabral de Melo Neto (1920-1999), o projeto decifra em imagens e sons o conhecido poema dramático que relata a trajetória de um migrante nordestino em busca de uma vida melhor.

A busca por caminhos para o reconhecimento das identidades “silverinas”, os fluxos migratórios correntes no Brasil e no mundo, o ir-e-vir em tempos de mobilidade e deslocamento, e a diversidade de referências que moldam a cultura audiovisual num eixo imaginário entre Pernambuco e São Paulo formam o ‘assunto’ de Outros Silverinos Remix.

Re-apropriados para o contexto da cultura digital do remix e do sampling, os temas são abordados em operações ao vivo de áudio e vídeo, em uma série de quatro blocos, com novos convidados a cada dia de apresentação. Além dos convidados especiais, o projeto conta com a participacão do MC Gaspar (do grupo Záfrica Brasil) na criação de rimas a partir das releituras audiovisuais.

Direção geral: Lucas Bambozzi e Fernão Ciampa.

convidados especiais:

DJ Dolores | 17 de março, terça feira, às 13h e 19h30

Livio Tragtenberg | 24 de março, terça feira, às 13h e 19h30

Lenora de Barros | 31 de março, terça feira, às 13h e 19h30

Toca Ogan e Dengue | 07 de abril, terça feira, às 13h e 19h30

Local: Teatro CCBB

17 de março a 07 de abril

terças-feiras – sessões às 13h e 19h30